#21 – sobre os beijos indesejados e a invasão da “bolha pessoal”

dia 21
Tempo de leitura:2 minutos
Lembro-me uma vez quando era pequena e conheci um amigo do meu pai e não lhe quis dar um beijinho e foi todo um drama. O meu pai fez queixinhas à minha mãe e a minha mãe disse que eu dava beijinhos a quem eu quisesse. É normal exigir das crianças que dêem beijinhos a toda a gente, que sejam íntimos com pessoas que não conhecem de lado nenhum, é algo que me faz alguma confusão. Nunca gosto de estar envolvido nesta obrigatoriedade destes beijinhos, se uma criança não quer, não quer. 
Desde esse momento que sempre me interroguei porque é que tenho que dar beijos a pessoas a quem não os quero dar, mesmo na família, há pessoas com as quais por algum motivo não sentimos tanta intimidade ou naquele dia não nos apetece andar a espalhar beijos. Acho que isso não deve ser visto como uma falta de educação e deve ser respeitada, tal como os adultos as crianças devem ter liberdade na escolha das expressões de afecto e nas pessoas com quem escolhem fazê-lo. 
Tudo isto assume novas proporções no mundo dos adultos, sobretudo no âmbito profissional. Tudo começa porque as mulheres têm que dar beijos e para os homens ficam os apertos de mão. Mas porquê? Nunca gostei disto, mas na minha curta experiência profissional sempre que tento ir para o “passou-bem” acabo por receber duas beijocas não solicitadas. Mesmo no dia-a-dia, não tenho propriamente apreço por beijar uma pessoa (homem ou mulher) que nunca vi na vida. É desconfortável, é forçado e não devia ser assim.
O que me irrita mais de tudo é que na realidade aquilo não são beijos, são tocar de bochechas em que fazemos um “muac”. Que coisa mais estranha é aquela, em que achamos que existe a necessidade de trocar beijos, mas na realidade como não temos intimidade suficiente não é um beijo, é apenas um toque de cara na cara. 
Já para não falar de abraços e toques no braço. Sou uma pessoa com necessidade do meu espaço pessoal, não gosto de ter a chamada “bolha pessoal” invadida. Já consigo aceitar com tranquilidade os abraços dos meus amigos mais dos “abraços” e do contacto físico, mas estranhos a tocarem-me, desculpem mas é de mais. Não gosto e não percebo porque é que se eu disser alguma coisa isso tem que ser mal aceite? Se algo me deixa desconfortável, as pessoas não deviam simpaticamente afastar-se? Até ao dia em que isso acontecer vou continuar a escrever textos como este.

One Reply to “#21 – sobre os beijos indesejados e a invasão da “bolha pessoal””

  1. Somos um país que beija muito, toca muito! Apercebi-me disso quando vivi nos EUA e eles nem passou bem dão haha foi um grande choque cultural mas voltei para Portugal a pensar nisso e realmente faz muito mais sentido para mim dar um abraço valente a um amigo e um olá e sorriso a um desconhecido. Mas não há muito a fazer, é como se fosse lei, quando ves alguém tens de cumprimentar com beijos 😛

Deixe uma resposta