A psicologia da vitória de Trump

psicologia donald trump

Hoje estou de volta com um post diferente do habitual, vou-vos falar do tema mais quente da última semana: a vitória de Donald Trump. Foi na quarta-feira que ficámos a conhecer quem seria o próximo presidente dos Estados Unidos. Eu estudo Psicologia Social e das Organizações e no último ano fiz um trabalho para uma unidade curricular sobre a campanha de Donald Trump. Era uma cadeira de influência social, sobre a maneira como as pessoas influenciam o comportamento umas das outras e tínhamos que fazer um trabalho sobre uma campanha. Escolhi logo trabalhar sobre uma campanha política e achei interessante pegar na campanha do Donald Trump, um personagem que se estava a candidatar à presidência. Quando comecei a escrever o trabalho, ninguém acreditava que ele chegaria sequer a ser nomeado pelo partido Republicano. O meu trabalho termina no momento exacto em que se soube que Trump era o candidato presumível do Partido Republicano. 7 meses depois Trump será o próximo presidente dos Estados Unidos da América. Quando fiz este trabalho, o meu interesse era perceber os processos psicológicos que estavam por trás do fenómeno Trump. Grande parte deles, mantiveram-se na segunda parte da corrida. Porém, uma das grandes mais valias era o […]

Continue Reading

O top 3 dos transportes que me tiram do sério

Hoje vou falar sobre um tema que assombra a minha vida diariamente. Especialmente desde que iniciei o curso de psicologia que o meu descontentamento com o sistema de transportes públicos da grande Lisboa se tornou parte do meu dia-a-dia. Porém desde que decidiram desmontar Lisboa, que o meu ódio atingiu máximos históricos. Um dos projectos que um dia gostaria de por em prática, era ser capaz de escrever uma reclamação sempre que me deparo com um problema (isto implicaria escrever pelo menos uma reclamação por dia e a média andaria nas três). Desde os meus 6 anos que no meu agregado familiar não existe carro, por isso desde pequena que me habituei a andar de transportes. Até ao 6º ano ia para a escola de carrinha (i.e. aquelas carrinhas privadas de transporte de crianças), mas daí para a frente passei a utilizar sempre o comboio. Quando fui para o Porto andava de metro e de autocarro. De regresso a Lisboa passei a utilizar o comboio e o metro. Agora, para ir para o estágio, normalmente utilizo comboio e autocarro. Não quero enganar ninguém, eu adoro os transportes públicos, não em Lisboa, mas em Londres, Paris, Berlim ou Frankfurt. Quando comecei a […]

Continue Reading

6 dicas para sobreviver a 8 horas de trabalho

Quando começamos a estagiar/trabalhar  passamos de seres livres que habitam uma faculdade no horário que lhes apetece para pessoas que se sentam à frente de um PC das 9h30 às 18h30. Quando inicialmente pensei neste post, tinha programado falar sobre coisas que podemos fazer durante essas oito horas para que a experiência seja mais agradável. Porém, depois de um mês e meio de estágio acho que a resposta está nas outras 16 horas e dois dias (no meu caso três) de descanso que a semana nos oferece. Uma nota para dizer que para além das 8 horas de trabalho tenho mais cerca de 3 horas de viagens entre a minha casa e o trabalho, o que na realidade reduz as 16 horas a 13. Como nunca tive carro e nem sei o que é não andar de transportes, já estou habituada a utilizar essas 3 horas de forma produtiva para ler, rezar, rever coisas da faculdade e, ultimamente, para actualizar as redes sociais do blog, editar imagens e rever posts. Para mim, foi horrível ver-me fechada num escritório. Não que não goste do meu trabalho ou que tenha claustrofobia, mas porque realmente não estava habituada. No colégio se fosse preciso ficava […]

Continue Reading

Como ganhar experiência antes de ter o primeiro trabalho

Muita gente pensa que tem que esperar pelo fim do curso para começar a ganhar experiência e para começar a trabalhar. O problema é que para encontrar estágios, e mesmo um trabalho, temos muitas vezes que já ter algum tipo de experiência, mais que não seja para nos destacarmos. Obviamente que, em algumas áreas, não é possível começar a exercer antes de acabar o curso (é o que acontece em psicologia, a minha área). Então o que é que podemos fazer? Tudo e mais alguma coisa. A única coisa proibida é fazer exclusivamente o curso e passar três/cinco anos sem ter uma única experiência fora da sala de aulas. Tenho 24 anos e nunca tive um trabalho, ou pelo menos, um trabalho pago. Sempre senti a responsabilidade de receber uma pensão para poder estudar e sempre tive a completa noção que tinha que aproveitar ao máximo este tempo para me desenvolver o mais possível e para ser útil à sociedade. Quem me conhece sabe que ando sempre a correr de um lado para o outro. Isto começou provavelmente no secundário e tornou-se em algo que faz parte de mim desde que entrei para a faculdade. Lembro-me de estar na primária […]

Continue Reading