Coisas estranhas que acontecem no Web Summit

web-summit
Tempo de leitura:4 minutos

O websummit é um lugar de hábitos estranhos.

Hoje foi o meu primeiro dia no Web Summit. Num evento desta dimensão, é normal que hábitos estranhos se criem e se enraízem profundamente e não há nada melhor do que ser um novo elemento no ecossistema para ser capaz de olhar e encontrar situações caricatas. Por isso, quero aproveitar este olhar fresco de estreante para escrever este post.

Deixo vos um vídeo de uma experiência sobre conformidade, que é basicamente a forma como hábitos estúpidos (e outros não tão estúpidos) se instalam na sociedade. Imitamos os outros sem saber bem porquê. Reparem que no fim ninguém sabe porque é que se estão a levantar. É inacreditável, mas é assim.

1. No web summit as pessoas falam durante as conferências

E eu não estou a falar do speaker, obviamente. Esta para mim foi a coisa mais estranhas. Eu tenho um histórico de mandar fazer olhares matadores a pessoas que não se calam nas aulas ou em conferências (lamento, mas eu não consigo ouvir duas coisas ao mesmo tempo e se quisesse ouvir as conversas das outras pessoas ficava no café). Mas no Web Summit não tive qualquer hipótese. Aliás parece que os speakers são um enfeite que lá está para tornar o ambiente mais agradável enquanto as pessoas conversam, atendem telefones (sim, tipo na boa, olá maria, olha estou aqui no websummit, …). No mundo da tecnologia, parece-me quase ridiculo que as pessoas mal ponham os olhos nos speakers.

web summit creatiff

2. No Web summit as pessoas só tiram a identificação para dormir (e algumas nem isso)

Ia-me esquecendo deste, fruto já de alguma imersão. Já o ano passado tinha reparado, que o pessoal anda com as identificações pela cidade fora (mas ainda dei o desconto que podia ser para andarem nos transportes). Mas hoje, na minha chegada ao Vasco da Gama vejo toda a gente de identificação pendurada no pescoço. Só para esclarecer, é a pulseira que não podem tirar. A identificação só precisam enquanto estão no espaço do evento. Para além de ser extremamente esquisto ir no comboio a ver o nome das pessoas. Ou saber que a Catarina e a Inês foram à casa de banho.

Web summit identificação
Juro que antes de chegar ao Vasco da Gama já tinha a identificação na mala.

3. No Web Summit as pessoas mais estranhas vão sentar-se ao nosso lado

Não sei se é só comigo, mas hoje só se sentaram pessoas estranhas ao meu lado. Para além de que as cadeiras estão super juntas o que não deixa muito espaço para sequer respirarmos. Na primeira conferência a que fui, tinha uma rapariga ao meu lado que para além de ser larga de ombros, fez questão de ter o casaco dobrado em cima de mim, mais de metade do tempo. Ela nem sequer estava a assistir à conferência (ver ponto 1), mas estava ali com o seu casaco em cima de mim. A melhor parte, veio no mesmo comboio que eu para Alcântara-Terra. Atenção que isto não foi um comboio que apanhei do web summit – ainda assim num evento com 60 000 pessoas seria uma coincidência engraçada, mas foi um comboio que apanhei depois das aulas (sim porque depois do Web Summit ainda fui às aulinhas). A seguir sentaram-se um grupo de machos latinos, espécie tuga, que passaram metade do tempo a gozar com a oradora (estes até tinham alguma razão).

4. No Web Summit nunca há uma plateia do início ao fim

É uma coisa estranhissima e compreensível ao mesmo tempo. Apesar de as conferências durarem entre 10 e 30 minutos, e com a maioria a rondar os 15/20 minutos é inacreditável que haja sempre a entrar e a sair :”Não estou a gostar, vou bazar e entrar a meio de outra conferência”. O mais interessante é a forma como isto é feito, perturbando o maior número de pessoas possível (passar à frente de quem está sentado, dar pontapés em cadeiras ou ir a falar ao telefone pelo caminho- ver novamente ponto 1). Ao mesmo tempo, com para aí 523 coisas a acontecer ao mesmo tempo isto é algo bastante compreensível. Bastou um dia, para eu própria já fazer isto. É impossível não sentir FOMO (fear of missing out) num ambiente destes. Para além disso, as cadeiras são super duras por isso também ajuda ir trocando para dar algum conforto ao traseiro (especialmente útil para pessoas com pouca acumulação de gordura ao nível das nádegas).

web summit panda conf

5. Web Summit à portuguesa

Não sei como descrever isto, mas claramente é um evento com uma organização à portuguesa e que já adquiriu os nossos hábitos (na realidade, acho que os irlandeses não são assim tão diferentes de nós, por isso talvez tenham só mantido o espírito). As conferências começam sempre atrasadas (ok, são 5 minutos, mas com um horário tão apertado, 5 minutos é o equivalente a uma hora na vida real), não existem caminhos pré-definidos dentro dos pavilhões (tipo de um lado ir por uma direcção e no outro lado ir na outra direcção). Honestamente, é uma confusão. Para mim, que odeio espaços fechados com muitas pessoas, a primeira meia hora foi passada a tentar não pensar que se houvesse uma catástrofe ninguém saía dali (um pouco extremo). Sinceramente, parecemos átomos em constante colisão. Mais todas as luzes e cores, é muita informação para processar ao mesmo tempo. Acho que preferia um Web Summit na Alemanha, com setas e indicações, acho que num espaço destes a única maneira de tornar as coisas organizadas é se não tivermos que pensar e seguirmos apenas setas ou indicações ou o que seja porque com tanta gente e tanta informação, os nossos pobres cérebros não aguentam.

web summit centre stage
O famoso centre stage, o palco central onde acontecem as talks mais importantes

E pronto, este foi a minha primeira impressão do Web Summit. Claro que adorei, acho que vale mesmo a pena ir, especialmente estando o evento na nossa cidade. É uma oportunidade de estarmos num ambiente cheio de pessoas diferentes e para mim uma forma de sair do meu roteiro habitual de conferências e eventos, para ouvir algo que também me ajude a pensar um pouco mais fora da caixa.

Algum de vocês já foi ou gostava de ir ao Web Summit? E viram alguma destas coisas?

5 Replies to “Coisas estranhas que acontecem no Web Summit”

  1. Adorava ir ao Web Summit mas realmente acontecem coisas estranhas!!

    Novo post: http://abpmartinsdreamwithme.blogspot.pt/2017/11/gamiss-fall-wishlist.html

    Beijinhos ♥

  2. Hahaha adorei as observações! Fui nos dias todos do ano passado e confirmo que, de certa forma, é uma desilusão 🙂 este ano não tive pena de não ir, tenho acompanhado as conferências que me interessam pela internet. Aproveita bem o que der!! Beijinhos

    http://trendylisbon.com/

    1. Sim, é uma óptima dica para quem não consegue ir ou não gosta do ambiente, aproveitar que eles transmitem tudo em directio online 😉 beijinhos

  3. Finalmente alguém que partilha da minha opinião sobre o Web Summit. O que procuram 90% das pessoas que lá vão? Acho que a possibilidade de aparecerem numa foto para por nas redes sociais!
    Claro que vale a pena. Para investidores e sartups. E os outros 90%? “Ah e tal…netwoking….” – Qual o valor do networking??

    1. Olá Chic e Milionária, se calhar não me expressei bem, mas acho que vale a pena ir ao Websummit, pura e simplesmente tentei captar algumas coisas caricatas que lá acontecem. O que não invalida que um evento que consegue reunir tantas pessoas importantes e a possibilidade de as ouvir acho que é algo que vale a pena.

Deixe uma resposta