Como organizar o tempo e a vida quando não temos horários

tese-organizar

Por estes dias estou a trabalhar na minha tese e relatório de estágio, o que me leva a sentir um misto de férias e desemprego. Quando estamos de férias, um dia ou dois, não ter horários pode parecer espectacular. Mas quando não temos horários para cumprir durante vários meses e os objectivos são a longo prazo é preciso arranjar estratégias que nos permitam aproveitar ao máximo este tempo e não passar o dia a dormir e a ver séries.

Expectativa vs. Realidade

expectativa-realidade-tese

Para mim, não está a ser nada do que esperava, estou a demorar imenso tempo a re-organizar-me e a por toda a minha vida novamente sobre rodas. Entre tantas possibilidades e com tanto tempo disponível às vezes torna-se difícil escolher o que fazer e começar a ocupar o tempo. Tenho visto os dias de Março a passarem, um atrás do outro, com o sentimento de que não estou verdadeiramente a aproveitar este tempo. Provavelmente serão os últimos meses em que posso estar tranquilamente a fazer o que me apetecer e em que posso organizar o meu tempo como quiser e em vez de fazer coisas produtivas, ou mesmo coisas que gosto, os dias estão a passar-se atrás do PC, a ver televisão e com algumas conferências e dias na faculdade pelo meio. Não era nada disto que tinha em mente quando quis dedicar os últimos meses do mestrado à tese.

Achava que ia surfar todos os dias, chegar a casa e ler, aprender coisas novas, escrever a tese e ser mega produtiva e realizada. Mas na realidade não sei se foi o mau tempo nos primeiros dias ou o corpo cansado, que ainda não me levaram até ao mar, nem a aprender coisas novas, nem a muitas outras coisas. . Acho que subestimei completamente o cansaço acumulado e a dificuldade que é levantarmo-nos todos os dias quando não temos nenhum sítio onde estar. Se nunca estiveram nesta situação, posso dizer-vos que é mesmo difícil. Principalmente, para pessoas que como eu, são matutinas por natureza e ficam maldispostas se acordarem depois das nove. É que ao mesmo tempo não me apetece levantar, porque sei que não tenho nada para fazer cedo, mas por outro se durmo mais depois acordo mal disposta.

Procurar soluções

Como isto é algo com que, se tudo correr bem, vou ter que lidar pelo menos nos próximos 4 a 5 anos (se entrar no doutoramento) e porque acho que tudo o que nos acontece é uma oportunidade para aprendermos não me deixei ficar no meu canto com a minha letargia, até que daqui 2 ou 3 meses entrasse em pânico com o aproximar dos prazos. Decidi meter mãos à obra e procurar soluções.

Falei deste assunto no meu seminário de estágio (uma sessão semanal onde falamos sobre os nossos estágios ou sobre a nossa vida profissional, neste caso a ausência da mesma). O Professor aconselhou-me duas coisas: dar um passeio de manhã e dividir o grande objectivo em pequenos objectivos. Bem, quanto ao passeio matinal, a ideia é ser algo relativamente curto (tipo 30 min) que me ajude a sair da cama e a começar o dia com mais energia. Pode ser algo como ir comprar pão, ou no meu caso um passeio até à praia. Como nos dias seguintes a este conselho tive alguns eventos durante a manhã, acabei por não o aplicar, mas na próxima semana espero conseguir.

Planificar e definir pequenos objectivos

O outro conselho passa por dividir os meus dois grandes objectivos: relatório de estágio e tese, nas pequenas tarefas que os consistem e por prazos mais curtos. O que eu fiz, foi colocar um prazo final (quero entregar o relatório até dia 17 de Abril e ter  primeiro rascunho da tese até 30 de Abril). Depois subdividi em objectivos semanais, aqui é preciso ter em conta dias em que já tenho coisas marcadas ou eventos como a Páscoa em que já sei que não vou conseguir trabalhar (é importante ser realista). Depois dentro das próximas duas semanas subdividi naquilo que precisava de fazer em cada dia (acho que não faz sentido ir mais longe do que isso porque é sempre necessário fazer alguns ajustes e não vale a pena estar a pensar em todos os pormenores já). Por exemplo, o meu relatório de estágio tem três partes: caracterizar a empresa, as actividades que realizei e uma reflexão. Vou fazer a primeira já esta semana e como são só duas páginas vou escrevê-las num dia. Mas por exemplo, para um dos temas da minha tese dividi sobre que grupo de artigos ia escrever em cada dia (não vos quero confundir com os temas).

planificar-pequenos-objectivos

Criar os nossos horários (com actividades, desporto, rotinas, etc)

Isto é super útil e parece um plano perfeito. A carga de trabalho é perfeitamente exequível com algumas horas por dia. No entanto, o resultado desta primeira semana foi um falhanço completo. Porquê? Porque me esqueci que tinha que planear os dias. Quando queremos mesmo fazer uma coisa, temos que reservar horas do dia para aquilo que queremos fazer, só assim garantimos que é feito. Senão as horas passam e passam e acabamos sempre a fazer tudo em cima dos prazos. O próximo passo, portanto é dar uma organização ao meu dia. Nisso pode ajudar um despertador que não seja desligado e, por exemplo, um passeio pela manhã. Pelo menos para já, acho que isso não é suficiente. Preciso mesmo de um sítio onde estar, com uma hora marcada que me obrigue a sair da cama.

Acho realmente que fazer um desporto com um horário de manhã era uma boa alternativa. Ginásio não dá porque não tem horários. O bodyboard poderia ser bom, mas posso ir a qualquer hora e perco umas 4 a 5 horas cada vez que vou surfar, enquanto não tiver carro (momento em que passo a demorar consideravelmente menos tempo) esta não é uma boa alternativa. Por isso, ando a pensar seriamente em voltar a fazer yoga. Mas para já ainda não é certo, porque economicamente estas coisas são puxadas e isso não ajuda.

Mas sinto mesmo que preciso de algo que me dê horários e que me permita construir o meu horário em torno disso. Tenho tantas coisas que queria fazer: surfar, aprender código, ler mais, estudar matérias que ficaram perdidas nos primeiros anos de psicologia, estar com amigos, escrever a tese e o relatório. Mas sobretudo, queria sentir-me em equilíbrio. O que vos quero dizer é que este equilíbrio não é algo que se ganha, é algo que se encontra. Com um ajuste de um lado, um ajuste do outro, com muita paciência até encontrarmos a forma como nos sentimos bem, somos produtivos e somos felizes assim.

 

3 Replies to “Como organizar o tempo e a vida quando não temos horários”

  1. Estou certa de que te vais reorganizar depressa! Eu, por exemplo, apesar de ter trabalho, também ando a sentir alguma dificuldade em orientar-me, já que não há horários fixos. Acho que temos que nos motivar face aos nossos objetivos para tornar tudo mais fácil.

    Beijinhos e muita força 🙂

    http://anetadaluisa.blogs.sapo.pt/

    1. Sim, horários sempre a trocar também é uma coisa complicada. A mim ajuda-me encontrar algumas coisas que possa fazer com os vários horários, para dar uma espécie de “ancoragem” ao meu dia

  2. Ainda ontem me disseram que é super importante criar bons hábitos para ter boas rotinas!
    Comecei hoje um trabalho novo e sei que vou passar a próxima semana a habituar-me ao local, às pessoas, aos horários de formação mais puxados, a reorganizar o blogue. Mas com organização e planeamento, cada pequena tarefa vai ser feita e tudo volta a uma rotina boa e equilibrada – se não der esta semana, dá para a semana desde que não percamos o foco 🙂

Deixe uma resposta