Natal sem pais

Christmas blues - fazer a árvore de natal sozinha
Toda a gente que já perdeu um dos pais sabe que o Natal não volta a ser a mesma coisa depois dos nossos pais morrerem. Mas as coisas melhoram e embora não volte a ser a mesma coisa, o Natal não tem que deixar de ser mágico.
nota: Hoje para o post que vos escrevo resolvi ir buscar uma parte de um post que quase ninguém leu 😔e complementá-la para fazer um novo post. Por uma questão de clareza (e para o caso de teres lido o outro post, as partes de lá retiradas estão em itálico).
Fui experienciando pouco a pouco, o que é viver o Natal sem pais. Primeiro perdi o meu pai, o que definitivamente me marcou, alguns anos depois a minha mãe. Foi aí que o Natal se tornou em algo completamente diferente. Uma época, por excelência, de vivência em família, não pode ser a mesma coisa quando os dois membros mais importantes da família (a mãe e o pai) não estão presentes. O Natal perde sem dúvida o brilho e há qualquer coisa que fica a faltar.
Depois do meu pai morrer, quando eu tinha 10 anos, o Natal não voltou a ser igual. Sobretudo no dia de Natal (porque a noite costumava passar com a minha mãe) sentia que faltava qualquer coisa. Nessa altura, deixei de festejar o Natal com a família do meu pai e fui acolhida nos festejos do dia de Natal da família da minha mãe. Não era que não gostasse de estar com eles, mas sentia que o meu lugar não era ali e que faltava qualquer coisa ao meu natal. Não tenho muitas memórias do Natal com o meu pai! Natais com pais divorciados também não são fáceis. Lembro-me que o meu pai me comprava coisas que eu tinha pedido, mas que não esperava receber e que eu adorava (como um CD da Britney Spears ou o meu primeiro telemóvel).

Alguns anos depois, começaram os natais em que a minha mãe estava doente (foram 3). No último, com o prenúncio de uma operação que estava para vir em Janeiro e uma situação que se estava a agravar. Eram tristes. Ainda que tentássemos estar felizes, não era igual. E depois a minha mãe morreu. Antes disso, eu gostava do Natal.  Adorava as músicas. Adorava a comida. Adorava as luzes e as decorações. Ir comprar presentes. Era uma época mágica do ano.Depois, Natal passou a ser sinónimo de falta, de solidão. O primeiro natal sem a minha mãe foi, no mínimo, deprimente! Fiz a árvore, fui à missa do galo (foi a única vez que fui à missa do galo), fiz o jantar e almocei com a família da minha mãe, mas havia um vazio muito grande, impossível de preencher. E todos o sentiam. Foi um Natal triste. Depois dos meus pais morrerem, o que me custava mais era sempre os meus anos e o Natal. Porque são aquelas épocas que queremos partilhar com as pessoas mais importantes e eles não estavam lá.

A noite de Natal é sempre a parte mais dolorosa, porque passei muitas vezes a noite só com a minha mãe, era uma coisa mais nossa. Houve pelo menos dois anos em que preferi passar a noite de Natal sozinha, na minha, com as minhas memórias. De alguma forma sempre senti a noite de Natal como algo mais íntimo, para ser vivido apenas com as pessoas mais próximas. Talvez porque também sou muito mais amante de estar em convívio com outras pessoas de dia do que de noite. Mas pronto, a noite de Natal sem a minha mãe não voltou a ser o mesmo.
Entretanto foi procurando outras alternativas. Uns anos passo com os meus padrinhos, outros com amigos. Tento ver pelo lado positivo, é como se tivesse várias famílias que me acolhem para passar o Natal. Há um lado divertido de conhecer várias tradições. Para além disso, sou sempre absolutamente livre de escolher o que quero fazer no Natal e não tenho que alinhar com parvoíces natalícias que não queira fazer. Apesar da tristeza que me invade nesta época (vejam este outro post aqui), na realidade, na antecipação desta época. A pouco e pouco fui voltando a encontrar a magia do Natal. Uns anos fiz a árvore, para depois me encontrar perante a árvore, sem nenhuma felicidade especial. Durante alguns anos, deixei de fazer a árvore e o presépio porque esta época era oca para mim e achei que não valia a pena. Houve um ano que fui à Disney no Natal (dois, para ser sincera) e adorei. Para mim, foi o sítio onde voltei a encontrar esta magia. Uns anos volto a encontrá-la, outros nem por isso.
O ano passado, eu e o Miguel, estávamos numa fase complicada por esta altura, por isso cada um viveu o Natal mais para seu lado. Este ano vai ser especial. Vamos fazer a árvore juntos, já fomos às compras. Comprámos as nossas primeiras decorações em conjunto (um conjunto de 8 flocos de neve vermelhos, que podem ver aqui). Novas tradições começam a existir. Este ano vamos pela segunda vez ver aquele espectáculo de Natal no Terreiro do Paço (de 14 a 23 de Dezembro, às 19h, 19h45 e 20h30, mais informação aqui).
Depois dos meus pais morrerem, especialmente depois de morrerem os dois, não é fácil viver o Natal. Acho que este é um sentimento generalizado para quem perdeu um familiar próximo por esta altura. Mas com tempo, as coisas vão melhorando. O Natal nunca voltará a ser a mesma coisa, mas pode voltar a ser mágico.
Já agora, fiquem a conhecer o meu canal do youtube, que também já está vestido a rigor  para o Natal: https://www.youtube.com/channel/UCZ7ra08clSbRWCfriTXYXOg

também podes gostar de

17 comentários

    1. Oh! Muito obrigada! Eu vou confirmar isso, mas no WordPress acho que só dá mesmo assim! Deixas o teu email ali à direita e ele envia-me uma notificação sempre que sai um novo post

  1. Que situação triste! Eu não consigo me imaginar sem meus pais, especialmente a minha mãe. Eu perdi minha vó que morava comigo no ano passado e sem ela o Natal nunca mais foi o mesmo. Mas fazer o que, né?! A vida tem que seguir em frente. Você é uma guerreira, moça!

    Beijo,
    https://goo.gl/z0jtbf

  2. Olha, não consigo nem imaginar como deve ser difícil viver sem os pais (tenho minha mãe e meu padrasto e ainda moro com eles), no entanto fico feliz em ver que com o tempo vc foi fazendo suas adaptações, buscando apoio de outras pessoas (porque é pra isso que serve a família e os amigos, né?). Viver sabendo que eles não estão mais lá não é nada fácil mesmo, só que ainda há motivos pra continuar ^^
    Espero que vc passe bem esse mês e os próximos!
    Um beijo!

  3. Apesar de eu nunca ter perdido alguém muito próximo, posso imaginar o quão ruim deve ser! Eu lamento muito por sua perda :'( mas ficou feliz de saber que você está conseguindo apreciar essa época novamente! Força <3

  4. O que não nos mata fortalece-nos. Traz nos maturidade e sabedoria. Um dia a felicidade vem. Está á tua espera. já lutaste muito duro para sobreviver de cabeça erguida. Parabens pela coragem e que o teu namorado seja o “special one” para fazer o caminho da vida contigo e serem felizes como merecem.
    Como juliana Araújo disse:” sinta-se abraçada” e amada, acrescento eu. Deus está olhando por ti e vai amaciando as pedras do teu caminho. Muita alegria na tua vida!

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *