Um pico de visualizações no blog que me deixou preocupada

sozinha
Tempo de leitura:2 minutos

Em Dezembro não fiz muitas publicações (na realidade só fiz duas), quando isso acontece fico numa média de 30 visualizações por dia, o que é bastante fixe e me faz pensar que o meu trabalho não é completamente em vão. No entanto, no dia 24 de Dezembro tive um pico de visualizações, não foi nada do outro mundo, chegámos às 82 (segundo o google analytics). O que me preocupou foi que este pico de visualizações aconteceu no dia 24, a véspera de Natal. Já suspeitava o que poderia estar a acontecer e fui investigar.

Descobri que a maior parte destas visualizações (72 de 82) veio de pesquisas no google e chegaram aos posts sobre viver o Natal sem pais e um outro sobre a depressão natalícia. Por cursiosidade, em Dezembro, estes posts estiveram entre o top dos mais lidos. Se por um lado fico feliz por trazer algo que possa ser útil à blogosfera (não sei se foi útil, mas espero que sim). Por outro, fiquei com o coração apertado quando vi estas estatísticas. Normalmente as pesquisas do google são direccionadas para posts de receitas ou coisas mais “práticas”, não para posts mais “emocionais”.

Quando escrevi esses posts foi porque sentia que era algo que me fazia sentido e também porque na minha opinião é algo que está um pouco em falta na blogosfera e na internet em geral. Se eu quiser saber como fazer um penteado, maquilhar-me, restaurantes para ir, produtos de beleza para usar, etc encontro muita informação. Mas quando estou a passar por uma fase mais difícil é difícil encontrar muita coisa online. Quando estamos a começar a viver sozinhos, é difícil encontrar informação que nos ajude a organizarmo-nos e a compreender toda a dimensão do que a nossa vida será dali para a frente. Em inglês até existem algumas coisas, poucas e a verdade é que não sei se há poucas pessoas interessadas ou se há tão poucos sites e projectos disponíveis que acaba por ser difícil de os encontrar.

Quando comecei o blog queria ter um projecto para ajudar as pessoas que vivem sem pais e os millennials (e não só) que começaram a viver sozinhos (ou que estão a pensar fazê-lo). Pelo meio, não acho que me perdi, mas acho que nem sempre é fácil manter o foco e com tão pouco conteúdo deste tipo onde me inspirar é difícil falar sobre estes temas sem cair nas páginas de diário e nos tutoriais, úteis (espero eu), mas muito fragmentados. Já sabem que este ano não há nada de promessas e comprometimentos com conteúdos e já sabem que não me vou preocupar com a consistência. Mas isto é algo que quero ter em mente. A verdade é que gosto de escrever sobre muitas coisas, todas elas fazem parte de mim e são parte da maneira como olho para o mundo, como um todo, mas também quero ter um projecto que faça sentido e que possa ser útil às pessoas.

Se tiverem um bocadinho deixem nos comentários o tipo de artigos que mais gostam de ler no blog ou aqueles que vos trazem aqui. Se quiserem também podem enviar um email para mafalda@noparentsathome.com

Sharing is caring!

Deixe uma resposta